Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

A música como recurso no cuidado com o idoso

por Gigi em 21 de janeiro de 2021


Onde Surgiu?



A música está presente desde os primórdios da humanidade, acredita-se que já existia desde o período pré-histórico como caráter religioso, ritualístico, em agradecimento aos deuses, pedidos de proteção entre outros.



A origem da música data de 1500 a.C, a palavra música vem do grego mousikê, que significa “arte das musas”, porém são dados históricos aproximados, sua real origem ainda não é muito clara para os historiadores.



A música esteve presente em várias culturas, o desenho encontrado em cavernas retratando um tipo de dança nos deixa crer que a música já era usada na pré-história tem relatos de uso de música nas passagens bíblicas, os antigos egípcios usavam música em rituais de passagem espiritual, guerras e cura. Mesmo os Maias, Incas e Astecas deixaram pistas sobre o uso de música em suas civilizações.



A música no cuidado com o idoso



A música como cuidado, também vem desde os tempos mais remotos da história da humanidade, sabe-se que tribos indígenas da África há séculos vem usando música para curar seus doentes, mesmo que de uma maneira empírica sem conhecimentos científicos, ligados a uma espiritualidade, como os índios da América, há relatos de terapias no cuidado de doentes usando música e seus elementos constituintes em quase todas as civilizações antigas.



A prática e sistematização da musicoterapia ocorreram após a 2ª Guerra Mundial, a música então passou a ser vista como ciência abrangendo inúmeros campos, essa abordagem recebeu a contribuição de médicos e cientistas ligados à neurologia, além, claro de profissionais músicos que viram na música uma esperança a mais para auxílio no tratamento de inúmeras doenças.



A música como terapia em Idosos com Alzheimer e Parkinson



Em doenças como Parkinson, Alzheimer e Huntington estas células que manteriam estas luzes vermelhas e verdes “acesas” morrem. A observação pode, desta forma, ajudar a explicar por que é que as pessoas que sofrem destas doenças degenerativas do sistema nervoso apresentam muitas vezes dificuldades na aprendizagem de ações sequenciais e na execução de tarefas.



Notou-se que a sinalização do início e término de uma atividade desenvolve-se durante a aprendizagem e uma interferência genética que conduz à inativação destes sinais impossibilita a aprendizagem de novas ações. Estes resultados permitem-nos avançar hipóteses sobre um possível mecanismo que explica por que os pacientes com Parkinson, Alzheimer e Huntington, que perderam neurônios nessas áreas cerebrais de sinalização, têm dificuldades de aprendizagem e execução de tarefas consideradas simples e do cotidiano humano.



Música como tratamento



Já se sabe através de estudos que a música exerce um benefício no cérebro, mas o que esse trabalho quer discutir é, porque não usamos música no dia a dia do paciente e por toda a equipe multiprofissional?



Durante a atividade, observa-se atividade das nossas células. Imagine “luzes” que se acendem e fazem com que outras se apaguem.
O número de células dedicadas ao início e ao fim da ação aumenta de forma significativa. Num prazo de duas semanas, o número de células dedicadas a esta função de iniciar ou terminar a ação, aumentou de cinco para cerca de 30 por cento. Isso não significa que com a repetição da tarefa tenham nascido células novas.



Algumas destas células que passaram a desempenhar esta função nas “luzes” estavam dedicadas ao desempenho da ação, sem que fossem ativadas para o início ou fim, ou, simplesmente, encontravam-se no local sem serem convocadas para a tarefa de tocar “piano”. Por outro lado, o treino também permite que a tarefa fique automatizada, o que pode explicar como o cérebro “dispensou” algumas das células envolvidas na sua execução, transferindo-as para a função de iniciar e terminar a ação.



Intervenção musical como cuidado de enfermagem



A música na enfermagem teve como marco Florence Nighitingale, que evidenciou em suas notas, o poder da música na recuperação de doentes, incluindo doentes em estado grave. Florence usou sons contínuos de instrumentos de sopro nos cuidados dos soldados da guerra da Criméia, e percebeu que os feridos que eram expostos aos sons musicais tinham um quadro de melhora significativa, diferentemente dos soldados que não eram expostos à música.



Outras enfermeiras ao longo da história incorporaram a música nos seus planos de cuidados de enfermagem, com ênfase a enfermeira Isa Maud Ilsen, que fundou a Associação Nacional Para Música nos Hospitais.
Desde então a utilização de música pela enfermagem está presente em diferentes atos de cuidar, nas clínicas e hospitais, UTIs, pediatria, saúde mental e geriátrica, emergências entre outros.



Quem pode aplicar a musicalização?



Embora o profissional enfermeiro seja respaldado pelo CIPE- Classificação internacional para a prática de enfermagem, e vale pontuar que a música está presente no CIPE, para utilizar-se de música é necessário aprofundar seus conhecimentos na área, considerando que nem sempre em seu processo de formação os princípios básicos de utilização de música nem sempre são abordados como deveriam, é importante a esse profissional desenvolver as competências para a utilização desse recurso, sempre em conjunto com um profissional musicoterapeuta, por exemplo.



Como sabemos a assistência de enfermagem é baseada em evidências, desta forma, para usar música nos seus planos de cuidados é fundamental que o profissional enfermeiro saiba reconhecer os resultados produzidos pela ciência para posteriormente incorporar de uma forma criteriosa a utilização de música nas intervenções de enfermagem.



Cabe ao profissional enfermeiro buscar conhecimento para aplicar em suas intervenções de enfermagem o uso de musicoterapia no dia a dia. Incluir essa atividade na assistência de enfermagem sempre com o auxílio da equipe multiprofissional, incluindo um musicoterapeuta.



Na sua ILPI ou Casa de Repouso, tem na rotina dos idosos a musicalização?






Imagem por: Freepik



REFERÊNCIAS



  1. Almeida AP, Silva MJP. Utilização do canto gregoriano na saúde: uma revisão bibliográfica narrativa. Cogitare Enferm. [Internet]. 2012[Acesso em 2012 Jul. 12];17(4):556-61.Disponivel em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/29297/19050
  2. BOWLBY J. ATTACHMENT AND LOSS. NOVA YORK: BASIC BOOKS; 1969.
  3. Campbell D. O efeito Mozart: explorando o poder da música para curar o corpo, fortalecer a mente e liberar a criatividade. Rio de Janeiro (RJ): Rocco; 2001.
  4. DOR: PRINCIPIOS E PRATICA. ONOFRE ALVES NETO.
  5. Música e dor crônica musculoesqueléticas: o potencial evocativo de imagens mentais. Elisabeth Ribeiro Leão. Maria Julia Paes da Silva.
  6. Ministério da Saúde (Brasil). Saúde da Criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Normas e Manuais Técnicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2002. (Cadernos de Atenção Básica n.11 – série A).
  7. Notas de enfermagem. FLORENCE NIGHTIGALE. Ed. Cortez 1989.
  8. Halpern R. Poverty and early childhood parenting: toward a framework for intervention. Am J Orthopsychiatr 1990;60(1):6-18.
  9. REVISTA ENFERMAGEM, COREN-SP 2015. Pág. 34, 35, 36, 37, 38 e 41.
  10. REVISTA NATURE, EUA, 2013. (ORIGINAL EM INGLÊS)
  11. REVISTA DE PESQUISA CUIDADO É FUNDAMENTAL. JANEIRO DE 2016.


Livros:

NIGHTIGALE, Florence. Notas de enfermagem. 12ª edição. Cidade: Rio de Janeiro Ed Cortez, 1989.

RANGEL, VALCIR A influência da música no corpo humano. Pág. 3, 4 e 5.

.

Artigo de revista:

COSTA, RUI. JIN, XIN. CEREBRO MUSICAL: ECOCAÇÃO DE IMAGENS E CORES ATRAVÉS DO SOM. NATURE. 2013.




Sobre o Autor

Eduardo Maia

Enfermeiro Coren/SP: 513.918

Bacharel em enfermagem pela Faculdade Anhanguera de Sorocaba, Pós em Urgência e emergência/ UTI adulto e docência do ensino superior. Vivência na assistência em urgência e emergência por 10 anos. Há 3 anos é Responsável Técnico de enfermagem e Gestor no Residencial Sênior Maria Luíza em Ibiúna-SP e Docente no curso de tecnico de enfermagem há 5 anos.

Tags:



Leia mais: