Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

A SAÍDA DO IDOSO INSTITUCIONALIZADO PARA AS FESTAS DE FINAL DE ANO

por Gigi em 2 de janeiro de 2020


Em época de final de ano, todos pensam nas festas, comidas, presentes e comemorações. Mas como fica o idoso que se encontra institucionalizado? Praticamente todas as ILPIs realizam festas e comemorações de Natal e Ano Novo em suas dependências, sendo essas festas abertas às famílias e amigos dos idosos. Mesmo assim, muitos dos idosos saem entre o dia 24 de dezembro e primeiro de janeiro para comemorar.



Como devemos nos organizar e preparar os idosos para essas saídas?



Primeiro de tudo, devemos nos informar sobre a relação do idoso com essa comemoração. Muitos trazem memórias agradáveis das festas que participaram ao lado de seus entes queridos durante toda a vida, mas devido ao envelhecimento, institucionalização e dependência, não veem essa época com os mesmos “olhos” que antes – então sair para comemorar pode não ser do agrado do idoso, gerando assim, mais trauma do que alegrias. Ao avaliarmos isso, estaremos aptos a conversar com o idoso e com seus responsáveis sobre os benefícios e possibilidades de tirá-lo, ou não, da instituição nessa época do ano. Outra coisa que devemos nos interar é como será a comemoração (local, quantidade de convidados, duração) e se haverá alguém para assistir, de forma responsável, o idoso. Apesar de sabermos da importância que a interação social tem para a saúde do idoso, as vezes é preciso dizer não se percebermos, como profissionais, que a saída será estressante, cansativa ou lesiva ao cliente.



Em seguida, devemos verificar o nível de mobilidade e independência desse idoso. Lembrando que o fato do cliente necessitar de assistência para essas funções, não limita a sua saída, apenas exige mais preparo da equipe, do responsável pela saída e do ambiente que o receberá. O profissional da instituição acompanha esse idoso até a saída, mas depois, quem se responsabiliza pelos cuidados, é uma pessoa leiga, então devemos orientar e ensinar algumas coisas para ele:



  • Como realizar as transferências do idoso (tirar do carro, colocar na cadeira de rodas, na poltrona, como apoiar/segurar o idoso durante a marcha) de forma que seja seguro para o idoso e seu responsável;


  • Quais tipos de alimento podem ser ingeridos pelo idoso e qual a consistência da comida e bebida que poderá ser ofertada. Muitos apresentam restrições alimentares que não são de completo conhecimento daqueles que estarão com ele. Em casos em que a alimentação deve ser auxiliada, devemos ensinar a melhor forma de fazer isso também; 


  • Quais medicamentos deverão ser administrados nesse período;


  • Como realizar a troca de fraldas ou acompanhamento do idoso ao banheiro;


  • Quais as preferências e necessidades do idoso em relação ao posicionamento;


  • Horários rotineiros do idoso se alimentar (em festas, muitas vezes as refeições acontecem em horários diferenciados, podendo interferir no conforto do idoso que está acostumado biologicamente à uma rotina).


A ILPI também deve se preparar, pois muito será exigido da equipe. É comum que alguns responsáveis escolham roupas e acessórios específicos para uso, além disso, temos os diferentes horários em que cada um irá sair. Oferecer ao funcionário um cronograma dos horários e exigências/ necessidades da família melhora a rotina e organiza o trabalho, evitando erros, atrasos e desentendimentos. Afim de reduzir a sobrecarga do responsável pela saída e possíveis erros, é interessante alterar o horário das medicações possíveis, para que sejam administradas enquanto o paciente se encontra dentro da ILPI (essa alteração deve ser feita pelo médica responsável, mais uma vez, pontuando a importância da equipe interdisciplinar). Outra coisa que a instituição deve estar prepara é para oferecer alguns insumos e materiais para serem levados:



  • Dispositivo auxiliar de marcha ou cadeira de rodas;
  • Uma troca de roupa;
  • Medicamentos que devem ser administrados no período em que o idoso se ausentará ;
  • Fraldas, absorventes e lenços umedecidos ;


Em alguns casos o responsável solicita que algum profissional acompanhe o idoso para prestar os cuidados necessários. Nesses casos, a ILPI pode indicar algum profissional de confiança, mas a contratação e pagamento não cabem à instituição.



Em uma época de festas, em que as comemorações devem ser agradáveis e felizes, devemos nos preparar para oferecer ao idoso, seus responsáveis e profissionais uma saída estruturada, pois o que deveria ser um momento gostoso, pode rapidamente se torar algo estressante ou uma emergência.






Imagem por:  Monica Silvestre Pexels



Referências: Experiências da própria autora




Sobre o Autor

Naira Salles de Moraes

Fisioterapeuta e Especialista em Gerontologia

Fisioterapeuta pela Universidade de Mogi das Cruzes , cursou especialização em fisioterapia em gerontologia pelo HCFUSP. Docente pela FMU-Laureate. Membro do corpo docente da Physiocursos -FABIC. Fisioterapeuta domiciliar e na ILPI Solar das Mercedes. Experiência de mais de 16 anos com atenção ao público idoso.

Tags:



Leia mais: