Colocar o idoso em uma instituição, de quem é a decisão?

por Gigi em 2 de dezembro de 2016
Amanda Coleone

Assistente Social (CRESS:53.047)

Durante as visitas da comunidade em meu local de trabalho, já fui questionada inúmeras vezes se algum dia eu “colocaria” meus pais em um abrigo de idosos. E minha resposta sempre foi negativa, na qual acompanhava a justificava que “o problema não é o tratamento que teriam aqui, porque sei da eficiência e qualidade de atendimento da instituição. Mas sim, pelo significado que possuem em minha vida, pela presença no dia a dia e por todo o aprendizado que obtive com eles, não poderia dar a eles a opção de não serem cuidados por mim ou em casa” (sic). E ao concluir essa fala, sempre recebo um aceno positivo com a cabeça.

No Lar encontramos diversas histórias de vida, diversos motivos que levaram aqueles idosos ao acolhimento institucional e como uma boa assistente social (detalhista em relação ao conhecimento da realidade social vivenciada pelo usuário de seu serviço), eu não poderia deixar passar este assunto em branco.

O processo de envelhecimento, por natureza, provoca uma mudança biopsicossocial significativa na realidade vivenciada anteriormente. É esta a fase da aposentadoria, onde os idosos deixam de ser produtivos e permanecem dentro de suas casas; também é neste processo que muitos passam pelo luto e precisam reaprender a seguir em frente sem seu companheiro de uma vida inteira (na maioria das vezes); e ainda, conforme a idade avança, gera a situação de dependência, onde o idoso necessita de maior atenção e cuidados especiais dos filhos/família, sendo este ultimo um dos maiores motivos da institucionalização.

Durante a entrevista para análise da necessidade de acolhimento, os responsáveis (na maioria, filhos/as) relatam que seu casamento está no limite pois a mãe e a esposa possuem uma relação conturbada. Há criticas sobre ouvir som alto, há criticas sobre comida, há criticas sobre como educar filhos/netos, e por fim, também surge a fala: “ela (ele) dá muito trabalho.” Mas, e toda a história que essa família já viveu antes desse idoso se tornar dependente? Antes dele dar muito trabalho?

É fato que algumas pessoas na sua juventude não vivenciaram um relacionamento saudável entre pais e filhos, e sabemos que não é fácil se relacionar com uma pessoa idosa, mas também é de nosso conhecimento que a institucionalização é uma ação muito invasiva a vida de qualquer pessoa, uma vez que ela provoca a perda da individualidade para viver sob cuidados de pessoas desconhecidas, conviver com outras tantas pessoas desconhecidas e tendo rotinas diárias com regras coletivas.

Imagine um idoso que já possui um passado de, no mínimo, 60 anos com suas próprias regras, manias, costumes, ter que se adaptar a esse mundo totalmente novo?

É claro que o profissional capacitado saberá distinguir os casos que apresentam real necessidade de acolhimento institucional, e ainda os que a família precisa apenas de uma orientação e mediação para visualizar a melhor saída.

E você, o que pensa sobre este assunto?

Participe também, deixe sua opinião, sugestão e críticas.

Até a próxima!




Foto por: Ian MacKenzie

Amanda Coleone

Assistente Social (CRESS:53.047)

Assistente Social Graduada em Serviço Social pela Instituição Toledo de Ensino - ITE Bauru. Trabalha como assistente social no Lar São Vicente de Paulo – Ibitinga/SP e também na Prefeitura Municipal de Itápolis/SP. Possui em seu currículo realização de trabalho voluntário junto da "The Salvation Army" (Canadá) e Rotaract Club de Ibitinga.



Artigos relacionados

Suicídio na Velhice

Para a Organização Mundial da Saúde (OMS) nenhum […]

Violência contra a pessoa idosa

Dia 15 de junho se comemora o Dia […]

Atividades cognitivas e artísticas para idosos com Alzheimer

O que é Alzheimer? A Doença de Alzheimer […]

A influência da música na amenização dos sintomas de Alzheimer em idosos

A música e seus elementos constitutivos (harmonia, melodia, […]

Gigi noticia



Pariticipe do nosso blog

Sugira um tema para a Gigi

Fique por dentro!

Inscreva-se para receber nossas newsletter e todas as novidades do Blog da Gigi.

Siga nossas redes sociais





© 2015 - 2022 Scaelife. Todos os direitos reservados.

Scaelife