Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

Cuidados com a alimentação na melhor idade

por Gigi em 23 de agosto de 2016

Estou imensamente feliz em participar do Blog da Gigi e mais ainda em falar um pouco sobre os cuidados com a alimentação do idoso.


A preocupação com a alimentação esta aumentando cada dia mais, e não poderia ser diferente, pois ela esta diretamente relacionada à nossa saúde (bom funcionamento dos órgãos), bem-estar em geral e prevenção de doenças.


Com o aumento no ritmo de envelhecimento da população brasileira, torna-se fundamental planejar e desenvolver ações de saúde que possam contribuir com a melhoria da qualidade de vida dos idosos brasileiros. Dentre essas ações, estão as medidas relacionadas a uma alimentação saudável, que devem fazer parte das orientações trabalhadas pelos profissionais de saúde à pessoa idosa e sua família.


Com o passar dos anos, o corpo começa a apresentar naturalmente algumas mudanças, que muitas vezes as pessoas demoram a perceber, mas que interferem na sua alimentação.


Alterações naturais nos mecanismos de defesa do organismo ou dificuldades no processo de mastigação e deglutição podem fazer com que o idoso tenha uma menor aceitação de determinados alimentos bem como suas quantidades, o que reforça a necessidade de cuidados diários no preparo de refeições seguras. Planejar as refeições e utilizar medidas corretas durante o preparo e cocção dos alimentos pode contribuir para a melhor satisfação e aceitação da refeição. Oferecer os alimentos bem cozidos (moles) ou em pedaços menores, como por exemplo, carne moída, frango desfiado, frutas moles e picadas, facilitam a aceitação.


O idoso deve fazer durante o dia 3 grandes refeições (café da manhã, almoço e jantar) e 2 a 3 lanches leves entre essas refeições (lanche da manhã, da tarde e ceia).


As grandes refeições devem conter sempre uma fonte de carboidrato (arroz, macarrão, batata, inhame, mandioca, etc), uma fonte de proteína (carnes, feijão e leguminosas), além de verduras e legumes que contribuem com vitaminas, minerais e fibras.


O consumo de água também é outro ponto que devemos nos preocupar. O idoso tende a reduzir o consumo de água durante o dia, fato que é justificado com base nas argumentações “não sinto sede”; “não gosto de água”; “água não tem gosto de nada”; “bebo chás e café no lugar da água”, mas sabemos que essas “substituições” não são adequadas.


É preciso incentivar esse consumo. De um copo de água ao idoso varias vezes ao dia, com pouca quantidade, em media 50 a 100ml varias vezes ao dia, dessa forma conseguimos que a ingestão seja aceita com mais facilidade.


Essa regra de oferecer pouca quantidade varias vezes ao dia se aplica a qualquer tipo de alimento que será oferecido ao idoso, assim eles consomem uma boa quantidade diária sem perceber (pois a porção é pequena e não da sensação de saciedade).


Informar e treinar os responsáveis direto pelo cuidado (familiares, cuidadores, nutrólogos, etc.), quanto às formas de preparo dos alimentos, quantidades a serem ofertadas e a periodicidade das refeições, faz com que a alimentação volte a ser um prazer e não um dever.


A refeição, ou o ato de comer deve ser sempre um momento de prazer, em local adequado, calmo e tranquilo.


Participe também, deixe sua opinião, sugestão e críticas.


Até a próxima!




Foto por Michael Stern


DICAS PARA A AVALIAÇÃO CLINICA EM IDOSOS



Sobre o Autor

Naira C. Furlan Zago

Nutricionista (CRN: 20947)

Nutricionista Clinica graduada na Uniara e pós graduada na USC. Trabalhou no hospital Beneficência Portuguesa de Araraquara por 10 anos como responsável técnica pelo sistema de fornecimento de refeições a pacientes e funcionários, atendimento hospitalar e ambulatorial. Atualmente atua em consultório com atendimento ambulatorial individualizado, com tratamento de obesidade com cirurgia bariátrica e  BIG

Tags:



Leia mais: