Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

CUIDADOS COM IDOSOS NO INVERNO

por Gigi em 6 de junho de 2019


Estamos no outono, mas daqui poucas semanas, exatamente no dia 21 de junho terá início o inverno. Com ele vem o frio e a necessidade de alguns cuidados específicos com pessoas idosas, pois segundo o geriatra Rubens de Fraga, os idosos correm um maior risco de problemas de saúde e lesões relacionadas ao clima, incluindo hipotermia, queimaduras na pele e quedas.



Leia também: PREVALÊNCIA E PREVENÇÃO DE QUEDAS NA TERCEIRA IDADE





Mas o que é hipotermia?



De acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), a hipotermia ocorre quando a temperatura corporal cai a menos de 36,8 graus. Abaixo de 29 graus causam risco eminente de morte. Os sintomas mais comuns são fraqueza, fadiga e diminuição do tremor do frio. Em fases mais avançadas o idoso pode apresentar fala enrolada, perda de consciência e choque.



Além da hipotermia, as doenças de vias respiratórias são as mais comuns nesta época do ano já que, devido às baixas temperaturas, as pessoas tendem a se aglomerar em locais fechados, fazendo com que o ar não circule.



Outro geriatra – Marcelo Navalho Rodrigues da Cruz – reforça que os idosos fazem parte do grupo de risco, por isso precisam estar sempre com a vacinação em dia.



Algumas dicas importantes para esta época do ano:



  • Estar sempre bem agasalhado e aquecido para proteção em ambientes frios;
  • Banhos rápidos e em temperaturas amenas;
  • A hidratação da pele com uso de hidratantes tópicos para diminuir a sensação de pele seca;
  • Usar cobertores que retenham calor, principalmente no período do sono quando há um declínio da temperatura corporal;
  • Imunização: a carteira de vacinação do idoso deve estar sempre em dia;
  • Buscar ajuda médica se o idoso apresentar sintomas de confusão mental e calafrios, ou dificuldades respiratórias;
  •  Realizar atividades para quebrar o ciclo da imobilidade, nem que seja passeio em shopping;
  • Fazer exercícios de alongamento com orientação profissional;
  • Por fim, mesmo no frio, é importante beber água.


Fonte: Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (https://sbgg.org.br/) e Secretaria de Estado da Saúde (http://portal.saude.sp.gov.br/)



Imagem por: Anastasia Zhenina e StockSnap




Sobre o Autor

Wanda Patrocinio

Gerontóloga

Idealizadora e Diretora da GeroVida – Arte, Educação e Vida Plena. Pedagoga, Mestre em Gerontologia, Doutora em Educação - UNICAMP. Professora, Pesquisadora e Terapeuta em Homeostase Quântica Informacional, Instituto Quantum.  Até junho de 2019 desempenhava o papel de professora do Programa de Mestrado de Gerontologia da Universidade Ibirapuera, UNIB, SP. Curso de Extensão em Psicogerontologia, PUC-SP. Curso de Estimulação Cognitiva com ênfase em memória para idosos, Pinus Longaeva, SP.

Tags:



Leia mais: