Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

Modelo de cuidado centrado no idoso

por Gigi em 8 de agosto de 2019


Você já se imaginou como uma pessoa idosa?



Claro que hoje temos mais condições e oportunidades para que as pessoas envelheçam de forma saudável… por outro lado, não podemos deixar de olhar para as circunstâncias atuais em que muitos idosos estão envelhecendo com doenças e problemas de saúde que, muitas vezes, causa dependência de cuidado.



Você já se imaginou nesse idoso que precisa de cuidados?Como você gostaria de ser cuidado?



Se queremos isto para nós, por que muitos não tratam os idosos de forma humanizada? O cuidado humanizado é uma forma de tentar entender a realidade do idoso, seus medos, suas angústias e oferecer um atendimento mais individualizado, de modo mais humano e afetivo.



Dessa forma, atenção ao modo de falar, cuidado com o idoso e empatia às suas dificuldades são fundamentais.



Veja abaixo tabela ilustrativa comparando o modelo de cuidado institucional com o modelo centrado no indivíduo.



Componente Modelo institucional Cuidado a pessoa
Refeições
Servidas em descartáveis, quantia pré-determinada,
sem opções de escolha (foco no tempo)

Talheres, residentes se servem e optam pela
quantia, decisão sobre o tempo e local (foco na socialização)
Plantas
Quem vai cuidar delas?
(desencorajamento)

Todos cuidam delas
(encorajamento)
Animais  
Sem animais ou
visitas breves
 

São aceitos e
faz parte da experiência
Plano de cuidado  
Focaliza nos
problemas do idoso e nas tarefas que precisam ser feitas
 

Pode contar
com a participação do idoso, usando estratégias facilitadoras (vídeo, estudo
de caso)
Família  
É pouco
incentivada a participar. Empenha-se somente em questões práticas e
culpabiliza os serviços por eventuais danos aos idosos

É convidada a
ser corresponsável pelos cuidados, oferecendo apoio emocional, instrumental e
social
 
Equipe  
Alta
rotatividade, profissionais não se envolvem
 

Grupo de profissionais
permanente, foco em relações significativas
 
Orientação da equipe  
Trabalho
orientado principalmente pela tarefa
 

Trabalho
orientado pelas relações
 
Responsabilidade   Administrador toma a maior parte das decisões  
Toda a equipe
é responsável pelo cuidado e desempenha um papel fundamental nos processos de
decisão
Transições  
Ausência de
cerimônias feitas no mês
 

Aniversários
comemorados individualmente, recepção de novos idosos, ritualização das
mortes


Leia Também: CUIDADOS COM IDOSOS NO INVERNO






Referências:



Este conteúdo faz parte do curso “Como melhorar a gestão e o cuidado em Instituições de Longa Permanência para idosos” oferecido pela autora do texto em parceria com os profissionais Maria Rosane de Souza Sério e Henrique Salmazo da Silva.



Imagem por: Ellen Dumon




Sobre o Autor

Wanda Patrocinio

Gerontóloga

Idealizadora e Diretora da GeroVida – Arte, Educação e Vida Plena. Pedagoga, Mestre em Gerontologia, Doutora em Educação - UNICAMP. Professora, Pesquisadora e Terapeuta em Homeostase Quântica Informacional, Instituto Quantum.  Até junho de 2019 desempenhava o papel de professora do Programa de Mestrado de Gerontologia da Universidade Ibirapuera, UNIB, SP. Curso de Extensão em Psicogerontologia, PUC-SP. Curso de Estimulação Cognitiva com ênfase em memória para idosos, Pinus Longaeva, SP.

Tags:



Leia mais: