Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

Atividades cognitivas e artísticas para idosos com Alzheimer

por Gigi em 21 de maio de 2020


O que é Alzheimer?



A Doença de Alzheimer (DA) é uma síndrome demencial que se caracteriza por declínio cognitivo múltiplo, envolvendo comprometimento neurodegenerativo progressivo, que envolve perda gradual da memória e da capacidade funcional, gerando prejuízo na qualidade de vida desses idosos (Cruz et al., 2015).



Como prevenir?



A prevenção primária envolve os seguintes aspectos (Carretta e Scherer, 2012):



-escolaridade: quanto mais alta, melhor o desempenho cognitivo e menos lesões cerebrais;
-atividade física regular: auxilia no atraso do início da doença, mesmo em níveis moderados;
-suporte e redes sociais disponíveis: manter contato com pessoas consideradas importantes tem efeito positivo;
-cérebro ativo com estimulação cognitiva constante: risco reduzido de desenvolvimento ou tardiamento dos sintomas;
-engajamento em atividades sociais e de lazer: o estímulo cerebral proporcionado pelo convívio e o funcionamento eficiente das redes cognitivas retarda o início das manifestações clínicas;
-ausência de depressão: menor risco para o desenvolvimento posterior da Doença de Alzheimer;
-Alimentação e dieta saudável: dieta combinada para reduzir a incidência de Doença de Alzheimer com vitamina C, E, B3, B6, B9, B12, antioxidantes, vitamina D que auxilia o funcionamento das células nervosas, promovendo o crescimento dos neurônios e suas ramificações, ômega-3 e colina, que tem papel importante na manutenção da memória (Battirola e Santos, 2010).




Nenhuma medida de prevenção é definitivamente bem-sucedida, mas visam atrasar o surgimento e os efeitos negativos desta doença.



Quais atividades recomendadas?



Sugestão de atividades (adequar para o grau de limitação do idoso ou do grupo que está se trabalhando): livros (incentivar o idoso a ler livros de seu interesse), jornais, escrever (mesmo sem finalidade específica), palavras cruzadas, jogos de tabuleiro, cartas, discussões de grupo organizado, tocar instrumentos musicais; dominó fonológico; jogo da velha, jogo dos sete erros; charges para colocar em ordem; música (contar quantas vezes aparece certa palavra); o que tem na praia com a letra C? (podem-se usar outras letras); fui à feira e comprei…



Além disso, o fazer artístico e terapêutico na velhice pode ser desenvolvido de várias formas, como: artes plásticas (desenho, pintura, colagem…); dança e expressão corporal; música e canto coral; literatura e poesia; teatro; artesanato.



Ao desenvolver essas atividades de forma a atender as necessidades da pessoa idosa, estar-se-á resgatando no idoso seus sonhos, seus desejos postergados, o autoconhecimento, a autoestima, a melhoria de sua autoimagem, melhoria das habilidades cognitivas e uma melhor qualidade de vida.



Leia Também: “A influência da música na amenização dos sintomas de Alzheimer em idosos”






Referências: – Experiência da autora na realização das edições I, II e III do Workshop sobre a Doença de Alzheimer, em parceria com duas gerontólogas, na cidade de Valinhos, SP, nos anos de 2013, 2014 e 2015.
– Battirola, M. R.; Santos, C. C. Nutrição e Seus Efeitos na Doença de Alzheimer. Revista Uniamerica, 2010;
– Carretta, M. B.; Scherer, S. Perspectivas atuais na prevenção da doença de alzheimer. Estud. interdiscip. envelhec., Porto alegre – RS, v. 17, n. 1, p. 37-57, 2012.
– Cruz, T. J. P. da et al. Estimulação cognitiva para idoso com Doença de Alzheimer realizada pelo cuidador. Revista Brasileira de Enfermagem, v.3, n.5, p. 516-516, 2015.




Sobre o Autor

Wanda Patrocinio

Gerontóloga

Idealizadora e Diretora da GeroVida – Arte, Educação e Vida Plena. Pedagoga, Mestre em Gerontologia, Doutora em Educação - UNICAMP. Professora, Pesquisadora e Terapeuta em Homeostase Quântica Informacional, Instituto Quantum.  Até junho de 2019 desempenhava o papel de professora do Programa de Mestrado de Gerontologia da Universidade Ibirapuera, UNIB, SP. Curso de Extensão em Psicogerontologia, PUC-SP. Curso de Estimulação Cognitiva com ênfase em memória para idosos, Pinus Longaeva, SP.

Tags:



Leia mais: