Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

A influência da música na amenização dos sintomas de Alzheimer em idosos

por Gigi em 16 de abril de 2020


A música e seus elementos constitutivos (harmonia, melodia, som e ritmo) implicam em musicoterapia, que é uma forma de tratamento que a partir do fazer musical durante o processo terapêutico, por meio do canal sonoro-musical, ajudará a expressão emocional e a criatividade, estimula a capacidade física e melhora as habilidades mentais e cognitivas, assim como a socialização, seja em grupo ou individualmente.



A musicoterapia também desenvolve o potencial criativo a partir da linguagem musical.



Leia Também: Musicoterapia: a música em nossas vidas e no processo de envelhecer



De forma mais direta, para os idosos, a musicoterapia influencia marcadamente os resgates de memória e a ativação psicofísica, aliando movimento e emoção. A pessoa sente o prazer de cantar, tocar um instrumento, improvisar um som, criar e recriar música, bem como redescobrir as canções que fizeram e fazem parte da sua vida.



A música tem sido uma ótima estratégia terapêutica para lidar com a tarefa de cuidar de um familiar acometido pela Doença de Alzheimer. Com a evolução da doença neurodegenerativa, as pessoas ficam totalmente dependentes, podem se tornar mais agressivas, agitadas, com déficits de memória e declínio motor e cognitivo.



A pesquisa de Anastácio Júnior traz esperança às pessoas que estão envolvidas com um idoso nessa situação, principalmente se o cuidador principal for o próprio cônjuge. Ele trabalhou com músicas do repertório autobiográfico de quatro casais de idosos, que trouxeram lembranças de fatos e situações vividas juntos, amenizando sintomas relacionados à demência, como a agitação, e possibilitando mais qualidade de vida ao cuidador.



Nos resultados apurados por Anastácio, embora os cuidadores se sentissem cansados pelas demandas associadas à doença, a musicoterapia trouxe momentos prazerosos ao casal, amenizou os sintomas comportamentais dos companheiros adoecidos e possibilitou o resgate e a troca de lembranças pessoais.



Se você trabalha com idosos com a Doença de Alzheimer ou cuida de um parente idoso nesta condição e já usa a música em suas atividades, compartilhe conosco suas percepções sobre a influência da música no sentido de amenizar alguns sintomas desta doença.



Leia também: Como sair da rotina e desenvolver atividades diferentes com os idosos






Imagem por:  Andrea Piacquadio Pexels



Referências:



Márcia Godinho Cerqueira de Souza. Musicoterapia e a Clínica do Envelhecimento. Elizabete Viana de Freitas e Ligia Py. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Editora: Guanabara Koogan, 3 ed., cap. 128, pp.1429-1440, 2011.



Mauro Amoroso Pereira Anastácio Júnior. Musicoterapia e doença de Alzheimer:
um estudo com cônjuges cuidadores
. Dissertação de Mestrado em Gerontologia, Programa de
Pós-Graduação em Gerontologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH)
da USP, 2019.




Sobre o Autor

Wanda Patrocinio

Gerontóloga

Idealizadora e Diretora da GeroVida – Arte, Educação e Vida Plena. Pedagoga, Mestre em Gerontologia, Doutora em Educação - UNICAMP. Professora, Pesquisadora e Terapeuta em Homeostase Quântica Informacional, Instituto Quantum.  Até junho de 2019 desempenhava o papel de professora do Programa de Mestrado de Gerontologia da Universidade Ibirapuera, UNIB, SP. Curso de Extensão em Psicogerontologia, PUC-SP. Curso de Estimulação Cognitiva com ênfase em memória para idosos, Pinus Longaeva, SP.

Tags:



Leia mais: