Fisioterapia no Idoso com AVE, AVC ou Derrame

por Gigi em 30 de julho de 2020
Naira Salles de Moraes

Fisioterapeuta e Especialista em Gerontologia


Com certeza você conhece alguém que teve um derrame ou AVC. E na sua ILPI, certamente já passaram vários idosos com esse diagnóstico, mas diferentes quadros clínicos. Vamos falar um pouco sobre o que é o AVC e como a fisioterapia pode ser decisiva na reabilitação e na qualidade de vida desses idosos.



Apesar de ser amplamente utilizado, devido seu maior reconhecimento, o termo AVC (Acidente Vascular Cerebral) não é o mais correto, e sim o termo AVE (Acidente Vascular Encefálico), pois o acometimento não ocorre apenas no cérebro e sim em todas as estruturas do encéfalo. Para começar então, vamos passar a usar o termo mais correto.



A Organização Mundial da Saúde (OMS) define AVE como “comprometimento neurológico focal (ou global), de ocorrência súbita e duração de mais de 24 horas (ou causa da morte) e provável origem vascular”.



Além de entender a terminologia, conhecer os tipos de AVE também é essencial para guiar a assistência à esses pacientes. A OMS apresenta 3 tipos, de acordo com sua etiologia:



-AVE isquêmico: ocorre por uma oclusão súbita de uma artéria cerebral, por um trombo ou êmbolo, reduzindo, ou até mesmo, interrompendo completamente o fluxo de sangue para determinada região encefálica.



-Hemorragia Intracerebral: Ocorre pela ruptura de uma artéria cerebral, com acúmulo de sangue no tecido cerebral e prejuízo no fluxo sanguíneo de determinada região



-Hemorragia Subaracnóidea: ocorre pelo sangramento no espaço entre as meninges (pia-máter e aracnoide), com acúmulo de sangue na região e prejuízo do fluxo sanguíneo e compressão de regiões adjacentes.



Como vimos, as lesões podem ocorrer em diversas regiões do encéfalo, então o quadro clínico do paciente vai depender da região acometida, e, saber qual a topografia do AVE do seu idoso vai guiar a sua avaliação e sua abordagem terapêutica. Mas no geral, os sinais e sintomas clínicos são:



-Déficit cognitivo e alteração do nível de consciência
-Comprometimento motor e sensitivo
-Heminegligência
-Afasia ou disfasia
-Hemianopsia
-Desvio conjugado do olhar
-Apraxia
-Ataxia



Leia também : AÇÃO EM EQUIPE: COMO O FISIOTERAPEUTA PODE AJUDAR DENTRO DE UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR



Quando abordar o paciente com AVE?



O paciente com AVE pode ser abordado em 2 momentos: na fase aguda (até 3 meses após o início do episódio) e na fase crônica. A transição entre as fases é progressiva e o tempo em cada uma vai depender da extensão da lesão e da região acometida. Alguns idosos podem evoluir da flacidez para a espasticidade rapidamente, e outros levarem semanas ou meses.



Já levantamos, até aqui, alguns pontos importantes a se saber antes de iniciar a abordagem fisioterapêutica do nosso idoso com AVE, sendo eles: Tipo, local da lesão, fase e sinais e sintomas.
Essas informações serão todas levantadas na principal ferramenta fisioterapêutica: a avaliação. Vamos agora esmiuçar um pouco mais sobre a avaliação do idoso com AVE
-Anamnese: História pregressa e atual da doença; antecedentes pessoais e familiares; hábitos e vícios; medicamentos em uso; exames de imagem e laboratoriais; rotina; suporte social, familiar e econômico; etc
-Exame Físico: Sinais vitais; inspeção; palpação e mobilização do paciente; avaliação postural; avaliação ortopédica; etc
-Exame neurológico: Avaliação de tônus (Escala de Ashworth modificada); pares cranianos; reflexos; sensibilidade; motricidade voluntária; equilíbrio (Romberg); etc
-Avaliação Funcional: trocas posturais; marcha; Instrumentos de avaliação funcional (Katz, Lawton, Barthel, Pfeffer, MIF); etc
-Instrumentos específicos para avaliação de AVE: National Institute of Health Stroke Scale (NIHSS); Escala de Fugl-Meyer; Wolf Motor Function Test (WMFT); Box and Block Test (BBT); etc



Após avaliar bem o idoso e identificar suas necessidades, então é elaborado o plano terapêutico com condutas e objetivos. É importante lembrar que alguns idosos terão prognóstico de recuperação e regressão quase completa de sinais e sintomas, mas outros, deverão se adaptar à nova realidade, buscando funcionalidade, independência e qualidade de vida. Em um caso ou em outro, é a fisioterapia que irá dar boas condições de vida e saúde à esse idoso.



O grande segredo é iniciar a abordagem fisioterapêutica ainda na fase aguda, com mobilização precoce passiva, logo após a estabilização clínica, e manter a fisioterapia com intervenções funcionais, motoras, cognitivas, etc., mesmo após a melhora funcional do idoso para manter os ganhos e prevenir regressão.



Algumas condutas fisioterapêuticas com bons resultados em idosos com AVE

-Alongamento passivo e ativo- musculatura encurtada ou com risco de encurtamento e musculatura hipertônica

-Fortalecimentos ativos ou por eletroestimulação – Musculatura plégica e parética

-Treino de posturas (controle e aquisição) – sedestação, ortostatismo, gato, decúbitos laterais

-Treino de Marcha

-Treino de equilíbrio – em posturas funcionais e as mais altas que o idosos conseguir adotar

-Treino funcional – de acordo com a demanda do paciente

-Controle esfincteriano – mesmo sem queixas de incontinência, pois a região pélvica também sofre alterações motoras e sensitivas

-Estímulo sensorial – em regiões de hipoestesia ou hiperestesia

-Posicionamento – prevenir lesões por pressão, encurtamentos e posturas lesivas

-Analgesia – Articulações e musculaturas

-Estimulação cognitiva – dar preferência à estimulação em dupla tarefa

-Técnicas específicas- Bobath, facilitação neuromuscular proprioceptiva, Bandagens funcionais e realidade virtual

-Adaptações – oferecer e treiná-las para uso adequado das mesmas



Vimos que o AVE é uma patologia bem complexa, mas o fisioterapeuta é decisivo no cuidado do paciente acometido por ela, juntamente com a atuação da equipe interdisciplinar. Quando cuidamos do idoso, sempre devemos ter em mente a visão global do paciente, mas em um idoso com AVE, essa visão é imprescindível e fundamental para conduzir bem cada caso.






Imagem por: Freepik



Referências: – Morsch, P.; Pereira, G.N.; Bós, A.J.G. – Fisioterapia em Gerontologia – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Rubio, 2018



Referências: – Morsch, P.; Pereira, G.N.; Bós, A.J.G. – Fisioterapia em Gerontologia – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Rubio, 2018



-Rodrigues,
T.A.; Andrade e Silva, T.S.; Esotico, A.P.C.A.; Heyn D.; Naki, I.K.; Battistella,
L.R.; Bernardo W.M.; Andrada, N.C.; Imamura, M. – Acidente vascular Encefálico
Agudo: Reabilitação – Projeto Diretrizes: Associação Médica Brasileira; 2012



-Abreu, F. –
Fisioterapia Geriátrica- Rio de Janeiro: Shape, 2006


Naira Salles de Moraes

Fisioterapeuta e Especialista em Gerontologia

Fisioterapeuta pela Universidade de Mogi das Cruzes , cursou especialização em fisioterapia em gerontologia pelo HCFUSP. Docente pela FMU-Laureate. Membro do corpo docente da Physiocursos -FABIC. Fisioterapeuta domiciliar e na ILPI Solar das Mercedes. Experiência de mais de 16 anos com atenção ao público idoso.



Artigos relacionados

O que é a pneumonia aspirativa? Você já ouviu falar em Disfagia?

Disfagia é a dificuldade de deglutir (engolir), o […]

Fisioterapia no idoso nas casas de repouso

Atenção! O post de hoje é um post […]

Coceira e desidratação em idosos

A pele é o maior órgão do corpo […]

Meu residente sofreu AVC, e agora?

Dia 29 de outubro comemoramos o Dia Mundial […]

Gigi noticia



Pariticipe do nosso blog

Sugira um tema para a Gigi

Fique por dentro!

Inscreva-se para receber nossas newsletter e todas as novidades do Blog da Gigi.

Siga nossas redes sociais





© 2015 - 2022 Scaelife. Todos os direitos reservados.

Scaelife