Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

Fisioterapia no Idoso com AVE, AVC ou Derrame

por Gigi em 30 de julho de 2020


Com certeza você conhece alguém que teve um derrame ou AVC. E na sua ILPI, certamente já passaram vários idosos com esse diagnóstico, mas diferentes quadros clínicos. Vamos falar um pouco sobre o que é o AVC e como a fisioterapia pode ser decisiva na reabilitação e na qualidade de vida desses idosos.



Apesar de ser amplamente utilizado, devido seu maior reconhecimento, o termo AVC (Acidente Vascular Cerebral) não é o mais correto, e sim o termo AVE (Acidente Vascular Encefálico), pois o acometimento não ocorre apenas no cérebro e sim em todas as estruturas do encéfalo. Para começar então, vamos passar a usar o termo mais correto.



A Organização Mundial da Saúde (OMS) define AVE como “comprometimento neurológico focal (ou global), de ocorrência súbita e duração de mais de 24 horas (ou causa da morte) e provável origem vascular”.



Além de entender a terminologia, conhecer os tipos de AVE também é essencial para guiar a assistência à esses pacientes. A OMS apresenta 3 tipos, de acordo com sua etiologia:



-AVE isquêmico: ocorre por uma oclusão súbita de uma artéria cerebral, por um trombo ou êmbolo, reduzindo, ou até mesmo, interrompendo completamente o fluxo de sangue para determinada região encefálica.



-Hemorragia Intracerebral: Ocorre pela ruptura de uma artéria cerebral, com acúmulo de sangue no tecido cerebral e prejuízo no fluxo sanguíneo de determinada região



-Hemorragia Subaracnóidea: ocorre pelo sangramento no espaço entre as meninges (pia-máter e aracnoide), com acúmulo de sangue na região e prejuízo do fluxo sanguíneo e compressão de regiões adjacentes.



Como vimos, as lesões podem ocorrer em diversas regiões do encéfalo, então o quadro clínico do paciente vai depender da região acometida, e, saber qual a topografia do AVE do seu idoso vai guiar a sua avaliação e sua abordagem terapêutica. Mas no geral, os sinais e sintomas clínicos são:



-Déficit cognitivo e alteração do nível de consciência
-Comprometimento motor e sensitivo
-Heminegligência
-Afasia ou disfasia
-Hemianopsia
-Desvio conjugado do olhar
-Apraxia
-Ataxia



Leia também : AÇÃO EM EQUIPE: COMO O FISIOTERAPEUTA PODE AJUDAR DENTRO DE UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR



Quando abordar o paciente com AVE?



O paciente com AVE pode ser abordado em 2 momentos: na fase aguda (até 3 meses após o início do episódio) e na fase crônica. A transição entre as fases é progressiva e o tempo em cada uma vai depender da extensão da lesão e da região acometida. Alguns idosos podem evoluir da flacidez para a espasticidade rapidamente, e outros levarem semanas ou meses.



Já levantamos, até aqui, alguns pontos importantes a se saber antes de iniciar a abordagem fisioterapêutica do nosso idoso com AVE, sendo eles: Tipo, local da lesão, fase e sinais e sintomas.
Essas informações serão todas levantadas na principal ferramenta fisioterapêutica: a avaliação. Vamos agora esmiuçar um pouco mais sobre a avaliação do idoso com AVE
-Anamnese: História pregressa e atual da doença; antecedentes pessoais e familiares; hábitos e vícios; medicamentos em uso; exames de imagem e laboratoriais; rotina; suporte social, familiar e econômico; etc
-Exame Físico: Sinais vitais; inspeção; palpação e mobilização do paciente; avaliação postural; avaliação ortopédica; etc
-Exame neurológico: Avaliação de tônus (Escala de Ashworth modificada); pares cranianos; reflexos; sensibilidade; motricidade voluntária; equilíbrio (Romberg); etc
-Avaliação Funcional: trocas posturais; marcha; Instrumentos de avaliação funcional (Katz, Lawton, Barthel, Pfeffer, MIF); etc
-Instrumentos específicos para avaliação de AVE: National Institute of Health Stroke Scale (NIHSS); Escala de Fugl-Meyer; Wolf Motor Function Test (WMFT); Box and Block Test (BBT); etc



Após avaliar bem o idoso e identificar suas necessidades, então é elaborado o plano terapêutico com condutas e objetivos. É importante lembrar que alguns idosos terão prognóstico de recuperação e regressão quase completa de sinais e sintomas, mas outros, deverão se adaptar à nova realidade, buscando funcionalidade, independência e qualidade de vida. Em um caso ou em outro, é a fisioterapia que irá dar boas condições de vida e saúde à esse idoso.



O grande segredo é iniciar a abordagem fisioterapêutica ainda na fase aguda, com mobilização precoce passiva, logo após a estabilização clínica, e manter a fisioterapia com intervenções funcionais, motoras, cognitivas, etc., mesmo após a melhora funcional do idoso para manter os ganhos e prevenir regressão.



Algumas condutas fisioterapêuticas com bons resultados em idosos com AVE

-Alongamento passivo e ativo- musculatura encurtada ou com risco de encurtamento e musculatura hipertônica

-Fortalecimentos ativos ou por eletroestimulação – Musculatura plégica e parética

-Treino de posturas (controle e aquisição) – sedestação, ortostatismo, gato, decúbitos laterais

-Treino de Marcha

-Treino de equilíbrio – em posturas funcionais e as mais altas que o idosos conseguir adotar

-Treino funcional – de acordo com a demanda do paciente

-Controle esfincteriano – mesmo sem queixas de incontinência, pois a região pélvica também sofre alterações motoras e sensitivas

-Estímulo sensorial – em regiões de hipoestesia ou hiperestesia

-Posicionamento – prevenir lesões por pressão, encurtamentos e posturas lesivas

-Analgesia – Articulações e musculaturas

-Estimulação cognitiva – dar preferência à estimulação em dupla tarefa

-Técnicas específicas- Bobath, facilitação neuromuscular proprioceptiva, Bandagens funcionais e realidade virtual

-Adaptações – oferecer e treiná-las para uso adequado das mesmas



Vimos que o AVE é uma patologia bem complexa, mas o fisioterapeuta é decisivo no cuidado do paciente acometido por ela, juntamente com a atuação da equipe interdisciplinar. Quando cuidamos do idoso, sempre devemos ter em mente a visão global do paciente, mas em um idoso com AVE, essa visão é imprescindível e fundamental para conduzir bem cada caso.






Imagem por: Freepik



Referências: – Morsch, P.; Pereira, G.N.; Bós, A.J.G. – Fisioterapia em Gerontologia – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Rubio, 2018



Referências: – Morsch, P.; Pereira, G.N.; Bós, A.J.G. – Fisioterapia em Gerontologia – 1. Ed. – Rio de Janeiro: Rubio, 2018



-Rodrigues,
T.A.; Andrade e Silva, T.S.; Esotico, A.P.C.A.; Heyn D.; Naki, I.K.; Battistella,
L.R.; Bernardo W.M.; Andrada, N.C.; Imamura, M. – Acidente vascular Encefálico
Agudo: Reabilitação – Projeto Diretrizes: Associação Médica Brasileira; 2012



-Abreu, F. –
Fisioterapia Geriátrica- Rio de Janeiro: Shape, 2006




Sobre o Autor

Naira Salles de Moraes

Fisioterapeuta e Especialista em Gerontologia

Fisioterapeuta pela Universidade de Mogi das Cruzes , cursou especialização em fisioterapia em gerontologia pelo HCFUSP. Docente pela FMU-Laureate. Membro do corpo docente da Physiocursos -FABIC. Fisioterapeuta domiciliar e na ILPI Solar das Mercedes. Experiência de mais de 16 anos com atenção ao público idoso.

Tags:



Leia mais: