Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

Gerontologia Social

por Gigi em 25 de março de 2021


Para falarmos sobre gerontologia social precisamos primeiro apresentar uma definição básica do que é a gerontologia. Segundo Neri (2005) esse termo foi usado pela primeira vez em 1903 por Metchnicoff que a compôs a partir do grego, em que gero significa velho e logia significa estudo. Dessa forma, Gerontologia é o campo multi e interdisciplinar que visa à descrição e à explicação das mudanças típicas do processo do envelhecimento e de seus determinantes genético-biológicos, psicológicos e socioculturais.



Essa área interessa-se também pelo estudo das características dos idosos, bem como pelas várias experiências de velhice e envelhecimento ocorridas em diferentes contextos socioculturais e históricos.



No mesmo livro “Palavras-chave em gerontologia” há uma definição de Gerontologia social, em que esse termo foi usado pela primeira vez por Clark Tibbits em 1954 para descrever a área da gerontologia que se ocupa do impacto das condições sociais e culturais sobre o processo de envelhecimento e das consequências sociais desse processo. São temas importantes nesse campo: atitudes em relação à velhice, discriminação em relação aos idosos, práticas e políticas sociais, formas de gestão da velhice pelas instituições sociais e pelas organizações governamentais e não-governamentais, índices de bem-estar das populações idosas, redes de suporte social e relações intergeracionais.



O envelhecimento do ponto de vista das ciências sociais considera a definição biológica, que são os processos de transformação do organismo que ocorrem após a maturação sexual e que implicam a diminuição gradual da probabilidade de sobrevivência, mas amplia trazendo as influências que ocorrem ao longo do desenvolvimento nos âmbitos das mudanças psicossociais determinadas pelo processo de socialização dos indivíduos. 



Nesse sentido, há uma teoria muito interessante da Perspectiva do Curso de Vida, em que o envelhecimento é enfocado do nascimento para a morte, o que o distingue das perspectivas que focalizam exclusivamente a velhice. Nessa teoria o envelhecimento é considerado como um processo social, psicológico e biológico, em que as experiências do envelhecimento são moldadas por fatores históricos e sociais.



Por fim, quando consideramos os fatores sociais que influenciam no processo de envelhecimento estamos nos referindo às condições da família do indivíduo, sua rede de suporte na comunidade, as relações sociais aos quais está exposto em seu dia a dia, a qualidade do convívio com seus pares e se faz parte das pessoas excluídas pela sociedade.



Leia Também: Orientação Gerontológica Individual






Chaimowicz, Flávio e Camargos, Mirela C. S. Envelhecimento e Saúde no Brasil. In: In: Freitas et. al. (orgs.). Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. pp. 74-98.



Neri, Anita L. Palavras-chave em gerontologia. Campinas, SP: Editora Alínea, 2005. pág. 95-102.



Siqueira, Maria E. C. Teorias sociológicas do envelhecimento. In: In: Freitas, E. V.; Py, L.; Neri, A. L.; Cançado, F. A. X.; Gorzoni, M. L.; Rocha, S. M. (orgs.) Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002. pp. 47-57.



Imagem por: Freepik




Tags:



Leia mais: