Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

Manejo da Perda Urinária em Idosos Como Prevenir, Tratar e Lidar com o Problema?

por Gigi em 4 de junho de 2020


Incontinência Urinária é comum, mas não normal!



Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia, Incontinência Urinária (IU) é definida como qualquer perda involuntária de urina que tenha repercussão social, acarretando problemas de saúde adicionais e impactando negativamente a qualidade de vida.



Essa disfunção afeta homens, mulheres e crianças (acima dos 5 anos). Nos idosos, a prevalência é de 8 a 34%, sendo mais comum no sexo feminino. Isso porque a uretra da mulher é mais curta (o que também aumenta a predisposição à infecção urinária) e elas possuem mais fatores de risco (gravidez, parto e menopausa).



Nos homens, geralmente é causada pelo aumento da próstata e cirurgia de remoção desse órgão. Sedentarismo, tabagismo, obesidade, constipação intestinal crônica, doenças cardíacas, respiratórias e urológicas também aumentam a chance de desenvolver a doença. Pode surgir ainda como efeito colateral de medicamentos.



Com o envelhecimento, alterações como enfraquecimento da musculatura pélvica e abdominal, diminuição da capacidade vesical (da bexiga) e dificuldades de locomoção e visão favorecem o aparecimento da incontinência. A depressão e a polifarmácia (uso de muitos medicamentos) também podem influenciar.



Entenda os Tipos de IU:



-de Esforço: a perda ocorre quando a pressão abdominal aumenta – tosse, espirro, risada, carregar peso, levantar da cama ou cadeira.
-de Urgência: causada pela hiperatividade do músculo da bexiga, responsável pela contração do órgão e seu esvaziamento. Ela leva à urgência miccional – desejo repentino e intenso de urinar, causando a perda quando não dá tempo de chegar ao banheiro.
-Funcional: o controle vesical pode estar normal, mas limitações físicas e cognitivas impedem que o idoso chegue ao banheiro e urine no sanitário (dificuldades para andar, localizar o banheiro, despir-se).
-por Transbordamento: ocorre quando há dificuldade em esvaziar totalmente a bexiga quando vai ao banheiro, então a urina vai transbordando em pequenas quantidades (comum em homens com próstata aumentada e pessoas que urinam com pressa).
-Mista: coexistência de 2 ou mais tipos de incontinência.



Por que prevenir e tratar?



A perda involuntária de urina pode prejudicar a capacidade funcional e a participação social dos idosos, que muitas vezes não se queixam do problema por vergonha e pela falsa ideia de ser “normal” com o envelhecimento, e que nada pode ser feito a respeito. Dessa forma, eles evitam sair e permanecer por muito tempo fora de casa, recusam convites sociais e deixam de participar de atividades físicas e recreativas.



Idosos acamados



Em idosos acamados a umidade causada pela urina pode favorecer o aparecimento de lesões dermatológicas e úlceras de pressão. Por isso, as trocas de absorventes e fraldas deve ser frequente.



Leia Também: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ESCARAS



Dermatite associada à Incontinência, que atinge a área superior a região do períneo.


Bons Hábitos ajudam muito!



Visto que a IU afeta a qualidade de vida dos idosos, algumas recomendações específicas devem ser adotadas para evitar as perdas. Além da dieta equilibrada e a prática regular de exercícios físicos, deve-se observar:
• A quantidade de líquidos ingerida (média de 2l/dia, não deve ser excessiva);
• Reduzir a ingestão na parte da noite (evitar 2h antes de dormir, tomar somente o necessário);
• Controlar o consumo de frutas cítricas e chocolates;
• Evitar consumir cafeína, refrigerantes e álcool (“irritam” a bexiga);
• Interromper o tabagismo;
• Tratar constipação intestinal;
• Tratar doenças pulmonares (quando IU é exacerbada pela tosse).



Outra boa dica é: 15 minutos antes de dormir, elevar as pernas e ir ao banheiro logo em seguida, antes de deitar. Isso evita perdas durante a noite e que se levante muitas vezes e interrompa o sono. O líquido acumulado nos membros inferiores durante o dia volta para os rins e é eliminado na forma de urina.



O intervalo ideal entre as micções é de 2 a 3 horas. Deve-se ter isso em mente e evitar ir ao banheiro toda hora, pois isso “deseduca” a bexiga. Caso seja difícil esperar tanto tempo, tente aguentar alguns minutos quando a vontade surgir. Para ajudar nesse controle, você pode segurar e soltar o xixi 10 vezes para adiar o desejo.



IMPORTANTE: nunca fazer o exercício de “segurar o xixi” enquanto estiver urinando. Isso confunde o cérebro!



Leia Também: INFECÇÃO URINÁRIA: O QUE DEVEMOS SABER PARA PREVENIR?



O Tratamento Conservador é indicado como 1ª escolha



Antes de tomar remédios (que podem ser prescritos em alguns casos) ou se submeter às cirurgias para correção do problema, aconselha-se buscar tratamento fisioterapêutico. Ele melhora o controle da bexiga e assoalho pélvico.



A fisioterapia uroginecológica inclui:
-Terapia Comportamental: mudanças de hábitos alimentares, micção com hora marcada, orientações sobre hábitos miccionais e estratégias para evitar perdas (manobras de esvaziamento e ativação do reflexo períneo-detrusor);
-Exercícios de Fortalecimento da Musculatura do Períneo: conscientização e treinamento muscular cuidadoso e específico, que dependem do entendimento e motivação do paciente;
-Eletroestimulação e Biofeedback: aparelhos que ajudam a aprender a contrair os músculos certos e obter o controle voluntário (dicas táteis, visuais e sonoras). Ainda ajudam a inibir a Hiperatividade da Bexiga.



Músculos do Assoalho Pélvico


O médico precisa ser consultado quando os sintomas se manifestam (vontade incontrolável de urinar e perdas involuntárias de xixi). Para a realização de fisioterapia pelo plano de saúde ele precisa prescrever, por isso converse sobre essa possiblidade.



Medicamentos e toxina botulínica podem ajudar na hiperatividade do músculo detrusor (da bexiga). A revisão geral dos remédios prescritos também pode diminuir os episódios e volume de perdas. Procedimentos cirúrgicos devem ser realizados em caso de falha das outras possibilidades.



Idosos frágeis e dependentes



A idade avançada e o comprometimento da mobilidade e cognição desses pacientes podem levar ao insucesso do tratamento conservador e contraindicar o uso de medicamentos e a realização de cirurgias.




Nesse caso, os bons hábitos alimentares, de ingesta hídrica e miccionais devem ser reforçados. Fraldas, absorventes e protetores de estofados ajudam no manejo das perdas urinárias, lembrando que o idoso não pode ficam molhado. Cateterismo vesical de alívio e de demora podem ser indicados, e necessitam de treinamento específico para serem realizados.



Independentemente do caso, a incontinência nunca deve ser negligenciada e a busca por soluções para as dificuldades específicas de cada um deve ser adotada, a fim de evitar prejuízos severos para a qualidade de vida na terceira idade.



Se você gostou desse contéudo, não deixe de comentar e compartilhar com colegas!






Refrências Imagem 1: https://docplayer.com.br/39703020-Dermatite-associada-a-incontinencia-dra-patricia-fagundes-medica-dermatologista-h9j.html



Imagem 2: https://www.facebook.com/EspacoVidaSaudeEstetica/photos/a.368980879906503/1181398831998033/?type=3&theater



Imagem do post por Freepik




Sobre o Autor

Renata Sollero

Fisioterapeuta e Especialista em Uroginecologia

Fisioterapeuta pela Universidade Federal de MG, Especialista em Uroginecologia pela Faculdade de Ciências Médicas de MG. Experiência na Assistência à Terceira Idade (individual e em grupo) há mais de 13 anos. Consultora em Gestão do Cuidado do Idoso e Segurança e Funcionalidade do Domicílio.

Tags:



Leia mais: