Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

Quedas em Idosos – Um problema de Saúde Pública

por Gigi em 24 de junho de 2021


Dia 24 de junho comemora-se o dia mundial de prevenção de quedas em idosos. A data foi criada pela Organização Mundial de Saúde e incorporada ao Calendário da Saúde do Ministério da Saúde.



O índice de quedas em idosos no Brasil e no mundo é muito alto, sendo que em nosso país, de acordo com o Ministério da Saúde,  a cada 15 segundos, 1 idoso é atendido em um serviço de emergência em decorrência de uma queda. Muitos casos exigem internação, intervenção cirúrgica, geram perdas funcionais, dependência física e psicológica, além de óbito. Sendo assim, as quedas em idosos são consideradas um problema de saúde pública.



Desenvolvendo um pouco mais o tema das quedas.



Primeiro é fundamental definirmos a queda, pois muitas são subnotificadas e, portanto, mal manejadas e prevenidas. O Ministério da Saúde define queda como:  “Deslocamento não intencional do corpo para um nível inferior à posição inicial com incapacidade de correção em tempo hábil, determinado por circunstâncias multifatoriais comprometendo a estabilidade”. Muitas pessoas só consideram a queda quando o idoso vai ao chão. Mas quedas menores geram tantos traumas quanto, devendo, portanto, ser notificadas a equipe de saúde que poderá atuar de forma preventiva. Principalmente ao considerarmos que o idoso que sofre uma queda tem grande chance de sofrer novas quedas.



A queda no idoso é um evento multifatorial, estando relacionado à diversos fatores de risco, e muitas vezes, a soma de diversos fatores, sendo alguns deles:



Fatores biológicos:



– idade (quanto maior, maior o risco);



– alterações sistêmicas relacionadas ao envelhecimento fisiológico;



– multi comorbilidades;



– gênero, etc..



Fatores Comportamentais:



– polifarmácia;



– tabagismo, etilismo e uso de drogas ilícitas;



– sedentarismo, etc..



Fatores Ambientais 



– baixa iluminação;



– degraus;



– irregularidades no piso;



– mobília;



– Pets, etc..



Fatores socioeconômicos



– baixa renda;



– baixo grau de educação;



– baixa rede de suporte socio-familiar, etc..



As quedas têm consequências imensuráveis na saúde do idoso, na comunidade e na família, dependendo do mecanismo de queda, da reserva funcional do idoso pré-queda, das sequelas da quedas, da capacidade de resiliência do idoso e sua rede de suporte sócio-familiar



Agora vamos falar um pouco sobre as consequências das quedas:



–  fraturas (sendo a principal a de fêmur) e luxações com consequente imobilismo e suas complicações;



– lesões de pele;



– trauma craniano e suas sequelas neurológicas;



– Síndrome do medo de cair.



Todas elas, resultam em redução da independência, autonomia e funcionalidade, que podem ser definitivas, ou não, gerando sobrecarga financeira e social aos serviços de saúde, comunidade, família e sociedade.



As quedas podem e devem ser prevenidas através de uma boa avaliação do indivíduo e do perfil da população idosa de determinada região, através do controle dos fatores de risco. A prevenção das quedas vai além da atuação da equipe de saúde, mas envolve comportamentos e políticas públicas e sociais.



Assista a Live: Um passo por vez, prevenção de quedas em idosos



Um dos grandes desafios para a efetiva prevenção de quedas é a mudança no comportamento da sociedade que ainda acredita que é normal o idoso cair. Esse pensamento tem fortes efeitos negativos na prevenção, já que, ao considerar a queda algo NORMAL, a comunidade (inclusive o próprio idoso) não adere às mudanças preventivas e controle de fatores de risco, além de não tratar as quedas de forma adequada.



Leia Também: Prevenção de Quedas, assunto primordial na Gerontologia






Imagem por: Freepik



Referências



1 – Secretaria do Estado de São Paulo- RELATÓRIO GLOBAL DA OMS SOBRE PREVENÇÃO DE QUEDAS NA VELHICE – 2010



2 – Envelhecimento e quedas de idosos / Fátima de Lima Paula. – Rio de Janeiro : Apicuri, 2010



3- Buksman S, Vilela ALS, Pereira SRM, Lino VS,



Santos VH – Quedas em Idosos: Prevenção – Projeto Diretrizes; Sociedade Brasileira de



Geriatria e Gerontologia; 2008




Sobre o Autor

Naira Salles de Moraes

Fisioterapeuta e Especialista em Gerontologia

Fisioterapeuta pela Universidade de Mogi das Cruzes , cursou especialização em fisioterapia em gerontologia pelo HCFUSP. Docente pela FMU-Laureate. Membro do corpo docente da Physiocursos -FABIC. Fisioterapeuta domiciliar e na ILPI Solar das Mercedes. Experiência de mais de 16 anos com atenção ao público idoso.

Tags:



Leia mais: