Usamos cookies para melhorar sua experiência no nosso site, acesse nossa Política de Privacidade e saiba mais. Ao usar o nosso site, você concorda com nossa política.

Aceitar Rejeitar

9 passos para o banho correto no idoso!

por Gigi em 13 de setembro de 2017

Temos que sempre avaliar as necessidades e as limitações do idoso. O mais importante é permanecer fazendo as rotinas como sempre fez, desde que, esse consiga, assim promovemos qualidade de vida e bem-estar.


Temos 02 tipos de banho mais comuns, são eles: aspersão (banho de chuveiro) e no leito ou na cama.


Mas qual é o melhor banho a ser dado?


Deve ser avaliado diariamente, um dia o idoso pode estar mais cansado, indisposto e outros dias mais ativo. Se ele consegue se comunicar, pergunte a ele, deixe ele decidir, é muito importante participar dos cuidados do dia a dia. Se caso este não consegue contactuar, então temos que avaliar e se questionar: “a pessoa que vai dar o banho, está sozinha? O idoso tem força para ajudar? Tem como se locomover? Consegue sair da cama e sentar na cadeira? Tem alguém que auxilia e que tem habilidade? ” São várias questões que devemos nos perguntar antes da escolha do tipo do banho, porque o idoso tem que ser transportado, no caso do banho de aspersão, e o risco de queda é muito frequente e pode causar danos graves.


Se você não tem habilidade, não faça sozinho! Procure ajuda. É necessário proporcionar maior segurança ao idoso e para evitar danos à saúde do cuidador.


O objetivo do banho é proporcionar higiene e bem-estar, remover sujeira na pele (células mortas e micro-organismos) e odores desagradáveis, estimular a circulação, relaxamento muscular e, favorecer a transpiração.


Hoje, vamos falar sobre o banho no leito/ cama.


Antes de iniciar o banho no leito/ cama, prepare todo o material que vai utilizar como:  jarro de água morna, 2 bacias, luva de banho ou tecido bem macio, sabonete líquido ou barra (preferência de uso infantil), roupas de cama (lençóis e toalhas), roupas do paciente, comadre, luvas de procedimento, creme hidratante sem álcool, shampoo, condicionador, creme para prevenção de assaduras, pasta e escova de dente e, um plástico para cobrir o colchão.


A higiene deve sempre ser iniciada pela sequência cabeça-pés (céfalo-caudal). Então, vamos lá!


1- Lavar as mãos;


2- Calçar as luvas de procedimento;


3- Com um pano molhado e pouco sabonete, faça a higiene do rosto, passando o pano (luva de banho ou tecido) no rosto, nas orelhas e no pescoço. Enxágue o pano em água limpa e passe na pele, até retirar toda a espuma e secar bem;


4- Lavagem dos cabelos: cubra com plástico um travesseiro e coloque a pessoa com cabeça apoiada nesse travesseiro que deve estar na beirada da cama, coloque a bacia embaixo, molhe a cabeça com água e um pouco de shampoo, massageie o couro cabeludo e derrame a água aos poucos até que retire a espume, se necessário passar condicionador;


5- Lave e enxague os braços, não se esqueça das axilas, as mãos, tórax, barriga e pernas. Seque bem, passe desodorante, creme hidratante e vai cobrindo as partes que já fez a higiene com toalha ou lençol. Nas mulheres ou pessoas obesas, atentar para as dobras de pele e, abaixo da mama para não ter problemas como micose e umidade excessiva;


6- Coloque os pés em uma bacia com água morna e sabonete,  lave bem entre os dedos. Secar bem e não passar creme entre os dedos, somente embaixo e em cima do pé;


7- Vire o idoso de lado para lavar as costas, secar e massageie levemente com creme hidratante para ativar a circulação;


8- Deitar novamente a pessoa com a barriga para cima, colocar a comadre e fazer a higiene íntima. Na mulher é importante lavar a vagina da frente para trás, assim se evita que a água escorra do ânus para a vulva. No homem é importante puxar a pele (prepúcio) do pênis.  A higiene das partes íntimas deve ser feita no banho diário e também após a pessoa urinar e evacuar, assim evita umidade, assaduras e feridas.


9- Todas as partes do corpo devem ser higienizadas com água e sabonete, após enxaguar e secar bem.


Dicas:


-Não usar sabonete colorido, com cheiro forte e antimicrobiano (mais informações no post: “Saiba quais cuidados devemos ter com a pele dos idosos“)


-Não usar nenhum tipo de óleo com a finalidade de hidratar (óleo não hidrata);


-Deixar o paciente sempre coberto, evitar que pessoas fiquem entrando no quarto, no período que estiver dando o banho ou realizando troca, respeitar a privacidade. Observar e avaliar a integridade da pele (cor, temperatura, hidratação e inchaço – estes, podem ser indicativos de lesão de pele);


-Realizar tricotomia (raspagem dos pelos) facial, axilar, pernas ou até mesmo em região pubiana para facilitar a higienização;


-Roupas: a pessoa idosa, doente ou debilitada pode ter a capacidade diminuída de perceber ou de expressar as sensações de frio ou calor. Por isso é importante que o cuidador/ familiar fique atento às mudanças de temperatura. Não espere que o idoso manifeste querer vestir ou despir agasalho, as roupas devem ser simples, confortáveis e de tecidos próprios ao clima, dando-se preferência aos tecidos de algodão. As roupas com botões, zíperes e presilhas são mais difíceis de vestir, por isso dê preferência às roupas com abertura na frente, elástico na cintura e fechadas com velcro®.


-Sempre que possível é importante deixar o idoso escolher a própria roupa, passar batom, colocar brinco, entre outros acessórios, pois isso ajuda a preservar a sua personalidade, eleva a sua autoestima e independência.


Alguma dúvida? Deixe seu comentário ou sugestão!




Foto por: Prefeitura de belo Horizonte





Sobre o Autor

Rita Cassia Ismail

Enfermeira (COREN: 0148972)

Graduada pela Fundação Educacional de Fernandópolis - SP, Educadora em Diabetes, qualificada pelo Projeto Educando Educadores em 2008, Especialista em "Unidade Cardiológica e Hemodinâmica" pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP em 2010 e, "Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde" pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca - ENSP - FIOCRUZ em 2010, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - USP/ SP em 2015 e atualmente Coordenadora da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital São Paulo - Unimed Araraquara

Tags:



Leia mais: