Diabetes: doença silenciosa que atinge milhões de pessoas.

por Gigi em 5 de setembro de 2018
Rita Cassia Ismail

Enfermeira (COREN: 0148972)

Olá!!

Estava ausente por esses meses, mas agora retornei e vou falar de um assunto que atinge milhões de pessoas no mundo – Diabetes Mellitus.

Vou descrever minha trajetória com o diabetes. Na graduação obtive o incentivo de uma docente (Arleia Dias) e, conseguimos desenvolver dois trabalhos com pessoas diabéticas na população de Fernandópolis- SP, juntamente com alguns colegas. Ao me graduar trabalhei em Pronto Socorro e observei que, muitos pacientes procuravam atendimento médico por descompensação dessa doença. Como era uma desejo trabalhar com uma população diferenciada, surgiu a oportunidade de trabalhar com saúde indígena, especificamente a etnia Xavante no MT, onde muitos tinham diabetes. Quando retornei para SP, onde comecei a trabalhar em Araraquara (2009), conheci a Prof. Dra. Ana Emilia Pace da Escola de Enfermagem da USP, e participei por alguns anos no ambulatório de diabetes e, realizei meu Mestrado em Educação com pacientes idosos portadores da diabetes tipo 2. Portanto, minha paixão pelo diabetes é antiga.

O diabetes afeta mais de 425 milhões de pessoas, dos quais um terço são pessoas com mais de 65 anos. Se não tomada medidas a previsão é que em 2045 629 milhões de pessoas portem a doença. Ao mesmo tempo, mais 352 milhões pessoas com intolerância à glicose estão em alto risco de desenvolver diabetes. Até o final de 2018, 4 milhões de mortes acontecerão como resultado do diabetes e suas complicações (IDF, 2018). Países de baixa e média renda tem quase 80% de pessoas com diabetes. Isso se dá devido a urbanização rápida, dietas pouco saudáveis e estilos de vida cada vez mais sedentária e, muitos países não fornecem cuidados preventivos.

Atualmente, no Brasil, há mais de 13 milhões de pessoas com diabetes, o que representa 6,9% da população, é o 5° país em número de pessoas acima de 65 anos com diabetes. Em alguns casos, o diagnóstico demora, favorecendo o aparecimento de complicações (SBD, 2017).

Mas afinal, o que é o diabetes?

Diabetes é uma doença crônica, que não tem cura, na qual o corpo não produz insulina ou produz em quantidades insuficientes.

E a insulina?

Insulina é um hormônio que é produzido pelas células Beta do pâncreas (órgão localizado atrás do estômago que produz alguns hormônios importantes para o nosso sistema digestório) que controla a quantidade de glicose no sangue. Conforme a necessidade do organismo, ela vai sendo liberada e deixando a taxa a níveis normais de glicose no sangue.

Quando a pessoa tem diabetes, o organismo não fabrica a insulina ou não consegue utilizar a glicose de forma adequada com isso, o nível de glicose no sangue fica alto (hiperglicemia) e, se ficar alto por muito tempo, poderá causar danos irreversíveis em órgãos importantes, vasos sanguíneos e nervos.

Importante: Não ignore os fatores de risco, quanto mais cedo você tiver o diagnóstico, mais rápido poderá agir para continuar saudável

Existem vários tipos de diabetes, os mais comuns são: tipo 1 e tipo 2.

O diabetes tipo 1 representa entre 5 a 10% da população. Em algumas pessoas, o sistema imunológico ataca as células Beta com isso a insulina não é liberada para o corpo, ficando na circulação. Geralmente aparece na infância/ adolescência, mas pode ser diagnosticado em adultos também.

Já o diabetes tipo 2 aparece quando o organismo não consegue usar adequadamente a insulina que produz ou não produz insulina suficiente para controlar a taxa de glicemia. Cerca de 90% das pessoas tem esse tipo, manifesta mais frequente em adultos, mas está aumentando os casos em crianças e adolescentes.

Os sintomas são silenciosos, por isso, é essencial que as pessoas façam um acompanhamento periódico, principalmente os idosos.

Quais são os sintomas?

Geralmente não tem sintomas, podendo ocorrer, aumento da frequência urinária, sede, fadiga, fome, perda de peso ou visão turva e também infecções recorrentes.

Se alguém próximo a você relatar alguns desses sintomas, oriente a procurar uma avaliação médica.

Resumindo, é uma doença que atinge o mundo todo, sem distinção de classe econômica. A pessoa com diabetes precisa ter conhecimento que ela tem maior risco de complicações cardiovasculares (Infarto) e cerebrovasculares (AVC) e, pessoas com idade superior a 60 anos, tem maior chance dessas complicações. O envolvimento dos familiares é de grande importância.  Apoiar, cuidar, dar suporte e acompanhar é fundamental para reduzir as complicações da doença (SBD, 2017).




Fontes:

https://www.diabetes.org.br/

https://www.idf.org.br/

 

Foto por: Alden Chadwick

Rita Cassia Ismail

Enfermeira (COREN: 0148972)

Graduada pela Fundação Educacional de Fernandópolis - SP, Educadora em Diabetes, qualificada pelo Projeto Educando Educadores em 2008, Especialista em "Unidade Cardiológica e Hemodinâmica" pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto - FAMERP em 2010 e, "Ativação de Processos de Mudança na Formação Superior de Profissionais de Saúde" pela Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca - ENSP - FIOCRUZ em 2010, Mestre em Ciências da Saúde pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - USP/ SP em 2015 e atualmente Coordenadora da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital São Paulo - Unimed Araraquara

Tags:


Artigos relacionados

O que é a pneumonia aspirativa? Você já ouviu falar em Disfagia?

Disfagia é a dificuldade de deglutir (engolir), o […]

Fisioterapia no idoso nas casas de repouso

Atenção! O post de hoje é um post […]

Coceira e desidratação em idosos

A pele é o maior órgão do corpo […]

Meu residente sofreu AVC, e agora?

Dia 29 de outubro comemoramos o Dia Mundial […]

Gigi noticia



Pariticipe do nosso blog

Sugira um tema para a Gigi

Fique por dentro!

Inscreva-se para receber nossas newsletter e todas as novidades do Blog da Gigi.

Siga nossas redes sociais





© 2015 - 2022 Scaelife. Todos os direitos reservados.

Scaelife